Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Fora de porta

Chamaram-lhe "outdoor" - o que para mim é um placard de 9x3 (normalmente) com publicidade... Whatever!

Fim-de-semana com 40 pessoas que trabalham comigo.

Trabalhámos (ah pois não, havia de ser só brincadeira...) comemos que nem umas bestas, fizemos uma prova de orientação, subimos às árvores, corremos feito estúpidos, fizemos rapel (yupiiiiieeeeeee) borrámos os ténis todos de lama, atravessámos silvas, monte acima, monte abaixo... fomos a uma prova de vinhos (difícil...) dêmos uns mergulhos na piscina de água quente do hotel, e voltámos a comer que nem umas bestas ao som de um violinista fa-bu-lo-so.

Enfim, fartei-me de puxar pelo corpo. E ainda agredi uma rocha com o joelho. A rocha nem deu por nada. Já o meu joelho... ui, ui.

Balanço final: foi giro! Nada de extraordinariamente fantástico, mas posso dizer que superou as minhas expectativas.

4 comentários:

PAULA PEREIRA disse...

Olá, quem não ia gostar?

JP disse...

Continua difícil a vida da directora...

Beijos!

Mad disse...

Já estou como o JP: coitadinha!

Flora disse...

Amiguinhos,

Este novo trabalho é tão giro... Já corre nos corredores "a nova directora é muito exigente!"
E quando eu entro, olham para mim com aquele ar "xiii, lá vem ela..."
:-)

Medo, muito medo. LOL