Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

"Num goto dito"

Tenho pavor de trovoada desde miúda.
Mas tenho de admitir que a foto do mano está fantástica.
Tirada ontem às 23h00.

4 comentários:

kiko disse...

é pena, só posso concluir que nunca estiveste num sitio realmente bonito e tenhas assistido a uma trovoada a sério, tipo no meio do alentejo à noite ou no meio do mar ou no cabo da roca, enfim...
mas confesso que levar com um raio nos "cornos" tambem não me agrada nada.

Brutal disse...

Foto muito bonita.
Parecem as varizes das minhas pernas :-)

João Paulo Cardoso disse...

Segundo uma vizinha, adepta do espiritismo, trata-se do espírito folião de todas as crianças que morreram.

Trovões e relâmpagos? No Way!!
Diz ela, que lá em cima também há jardins de infância, onde as crianças arrotam a papinha e desenham uns rabiscos...

Isto era suposto acalamar os nervos, mas resultou ao contrário...

Vou ali enfiar-me debaixo da cama e volto 2ª feira...

Beijos.

FL disse...

Kiko,
Há traumas de infância que só se curam com o tempo... outros que nunca se curam.
Acho que o meu é dos 1os.

Beijocas

Brutal,
Deves ter umas varizes lindas:)

Beijos grandes

JP,
Como de costume, hilariante!
E já podes sair de debaixo da cama, já passou!

Beijoca