Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Vou escrever sobre o tempo...

Apetece-me escrever apenas e só sobre uma coisa. O que me faz feliz. O arrepio na espinha, o bater desenfreado desta coisa a que chamam coração.

O abraço apertado, o olhar doce, as conversas, os planos, os sonhos, as certezas. Dúvidas? Nenhuma.

A vontade de pôr por escrito, uma a uma, as coisas que gosto em ti. Para saberes que são todas. Tenho vontade de te dizer que me faz falta aquela tua expressão. Aquela que te disse, lembras-te?

Mas depois penso que é melhor não. Que não devo escrever sobre aquilo que só eu e tu sabemos. Que ninguém tem nada a ver com isso, que são coisas só nossas e que devemos guardá-las só para nós.

Então é melhor escrever sobre o tempo, essa confusão instável que, nos últimos dias, tem mudado de meia em hora, em contraposição ao nosso estado que se mantém fiel e cresce a cada segundo que passa.

O tempo. A trovoada, a chuva, o cheiro a terra molhada… assuntos corriqueiros que me ocupam a mente e me resguardam, para que não conte a toda a gente o quanto te amo.

Está decidido, não vou escrever sobre o que me faz feliz.

13 comentários:

Mad disse...

A menina importa-se de partilhar com as suas amigas (que não são virtuais, apesar de morarem a milhares de kilómetros) a causa mais recente desta explosão hormonal? Se não lhe der muito trabalho...

Eu não lhe telefono, está certo, nem antes, durante ou depois do CSI, mas é só porque as tarifas telefónicas intercontinentais estão pela hora da morte.

Por conseguinte, peço-lhe encarecidamente para me mailar, principalmente quando faz planos de me visitar em grupo.

FL disse...

Querida,

Quem está em falta és tu. Não respondeste ao meu ultimo email. Quanto à visita em grupo, ainda está muito em fase de estudo.

Primeiro terás de receber os Santamarotos... e refazeres-te da visita deles:)

E "explosão hormonal"?! Naaaaaa!

Beijo no sítio de costume

Mad disse...

Touché. Eu e a minha grande boca (e a mania de ir ao teu blog antes de ir ao hotmail).

João Paulo Cardoso disse...

Puque já não me comentas?
Puquê?
PUQUÊ??

É puque eu esquevo sob futebóue?

Ma até tem piada... não?
Puque é que não me comentas?

O tempo?!
Não tens tempo?

Puque é que...

BUÁÁÁÁÁÁ!!!!!!

Mad disse...

Já lá fui. E gostei. E comentei. E deixei uma beijoca um nadinha fora de propósito.

Ricardo Fonseca disse...

"Beijo no sítio de costume"?!!!!!

Mad disse...

"Beijos no sítio do costume", seus perversos, é uma frase minha (e que paga direitos de autor, menina Flora!) que quer dizer... exactamente isso, no sítio onde se costumam dar os tais beijos a cada pessoa. No caso dela é no coração e na bochecha e, se bem me lembro, em mais lado nenhum. Seus ordinários!

FL disse...

Mad,

É o costume!

JP,

Ficas tão giro a fazer beicinho!!! É mesmo falta de tempo, mas eu prometo que volto a comentar, sim?
Beijo

Mad (outra vez)
Estúpida!

Ricardo,
A Mad já te respondeu! (Gracias amiga)

Mad,

Ai... já te respondi não já?

Que malta confusa... Vocês não têm mais nada que fazer? Já me cansaram, só de vos responder:)

kiko b disse...

então andas a planear ir ao brasíu sem nós, não é?
deixa estar, olha que os figos acabam sempre por cair da arvore.

FL disse...

Kiko,

Não leves a mal, mas o espírito é outro e eu levo mais tempo a encher o mealheiro:)

Beijos à família toda

JOAO MARIA disse...

va la meninos, ajudem a encher o mealheiro da flora, ou vao abdicar de uma companhia com tanta boa disposiçao e alegria?

Mad disse...

Pronto, lá anda ela a encher o mealheiro... e o papo, de fim de semana perdida no campo.

Cuidado com os animais selvagens, miga. ;D

FL disse...

João,

A razão principal nem é essa. É apenas uma questão de prioridades. As minhas não passam por ir ao Brasil num futuro próximo.

Beijoca

Mad,

"Fim de semana perdida no campo"... Hum... O que é que tu sabes que eu não sei?;)

Beijo grande minha maluca.