Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Ah e tal... o blog fez um ano!

Bolas... Como o tempo passa. Parece que foi ontem. Um sábado chuvoso, uma brutal dor de cabeça e vapt, vupt... nasceu o Devagar, a 5 de Janeiro de 2007.

Com ele vieram mais dores de cabeça, amigos que nunca vi (como o grande JP), ressabiados que já se deram ao trabalho de ir pastar para outro lado (Graças a Deus Nosso Senhor, que já faltava paciência) amigos de há uns anos que também fizeram blogs, uns mais secretos que outros...

Disse, a páginas tantas, que este blog era mais para mim do que para quem quer que fosse. Uma terapia só minha, egoísta. Sempre escrevi o que me deu na real gana e quem não gostasse que fosse andando.

Alturas houve em que a actualização deste espaço era uma prioridade. Não havia um dia que não escrevesse, que não respondesse a comentários ou procurasse saber quem me visitou. Há uns meses deixou de ser assim.

Coisas mais importantes surgiram na minha vida. Nunca escrevi para ninguém, portanto também não deixei ninguém, directamente, pendurado. Quem me lê/lia de maneira assídua, rapidamente entendeu que maiores interesses passaram a preencher o meu dia-a-dia.

Não fosse este blog e talvez nunca teria encontrado quem me faz feliz. Mas bendita a hora em que o fiz. Não o ter feito poderia significar nunca ter conhecido o Homem da minha vida… Nunca o saberei.

Acabei de passar mais de uma semana sem Internet. Não senti a menor falta. Tive umas férias fantásticas, longe da confusão e do barulho, muito apaparicada por quem me ama e me atura.

Estou bem. Muito bem. E nem me chateiam as seguintes “tretas”:

- Estão a tentar fazer-me a folha no emprego;
- “Alguém” fez queixa de mim ao Tribunal de Menores;
- A minha conta bancária tem dois dígitos (positivos, por enquanto…).

Não me interessa… Estou muito bem e nada me incomoda mais do que deveria. São “peanuts” perto do meu estado positivo e bem disposto. Arreliam, mas não chegam para estragar.

5 comentários:

JP disse...

Ah!.... que bom que é ler coisas assim!!

Um dos posts mais positivos que já li!
Cheio de força, garra e um grande "fuck of" para quem nos quer mal!!

Como se não fosse pouco, o post culmina um ano de excelentes pérolas lidas neste blog.

Um blog tão positivo que, com pezinhos de lã, sempre "devagar", até conseguiu encontrar o amor para a sua (linda) criadora.
Um blog cupido!!

Como não há nada perfeiro neste mundo, o post também elogia a minha pessoa, mas pronto, está bem.
A culpa será das cócegas das bolhinhas de champanhe na ponta do nariz.

Parabéns pelo blog, pelo post, por tudo.
Um grande 2008 para ti.

FL disse...

Oh pá... com um comentário destes... e queres tu acabar com o El Dorado... Não se faz, pá!

C'um catano. Tá mal! Protesto!

Ah... Obrigada! :-)

Mad disse...

E tb fala em mim - por código, é certo... -, é bom que se note!

JP, eu li bem??? Não, só pode ter sido uma alucinação. Se isto for verdade, vou aí ao Pinhal Novo e levas uma tareia tão, mas TÃO grande, que ficas todo negro!

Mad disse...

Ouve lá, tu não foste promovida há pouco tempo?...

FL disse...

Miga,
O problema é precisamente esse! Ainda não ocupei o meu novo cargo de Directora (UAU!) mas a inveja é do caraças... Ui, ui... anda para aqui uma dor de cotovelo do catano.

Nada que não se aguente, já falta pouco. E como diz o meu gajo, eu tenho uns tomates muito grandes :-)

Beijocas e vê lá se marcar o jantar pá!