Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Como é que diz que foi?

Já diz a Mad que eu tenho uns clientes muito engraçados.
Agora descubro que também têm uma quedazita para a... como dizê-lo? Atrapalhação? Imaginação demasiado fértil? Sei lá...
Um deles, que tinha uma reunião marcada comigo hoje e não apareceu, desculpava-se há pouco com a minha futura assistente.
Também lhe enviámos uma carta registada com aviso de recepção. O dito cujo disse que não teve oportunidade de abrir a carta e responder, pois o escritório dele foi assaltado e a carta tinha uma pegada suspeita e a polícia ficou com ela...
Pois. E o que é que eu faço à carta que tenho aqui, devolvida por não ter sido reclamada? Garanto que não tem pegada nenhuma!!

2 comentários:

JP disse...

Não consegues ter uma vida normal, pois não?

Beijos.

Mad disse...

Eu tentei fazer um comentário inteligente há umas horas (valentes) atrás, mas agora é que não me ocorre rien...

PS - Isto é coisa que se peça a alguém para dizer???...: hsprpsp!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Ou tiras isto, ou.....