Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Isto já vem de longe

É um fetiche como outro qualquer. Acho eu. Há quem goste de olhos, de bocas, de rabos, pernas, enfim... Eu é mais mãos.
Porquê? Não faço ideia! Gosto e pronto. Das bonitas. Sendo que o "bonitas" é um conceito altamente subjectivo, que corresponde aos padrões que eu tenho sobre mãos.
Tenho por hábito olhar para mãos. Se são grandes ou pequenas, bem cuidadas ou de pedreiro. De unhas rentes ou a necessitar de uma visita urgente a uma manicure jeitosa.
Como eu falo com as mãos, gosto de ver se tenho companhia para a conversa.
Nem muito grandes, nem muito pequenas. Não sei bem explicar quais as que mais gosto. Talvez os olhos, como espelho da alma que lhes chamam, digam mais. Quero lá saber. Eu gosto é de mãos!

6 comentários:

Ervi Mendel disse...

É melhor nunca veres as minhas. Ainda entras em desassossego...

Maria do Desassossego disse...

Ervi,

Why? Horrorosas ou lindas? Mas olha que isso é muito subjectivo:-)

Beijo

Ervi Mendel disse...

Não é não! É uma opinião bastante universal!

(já sei, presunção e etc e tal...)

Maria do Desassossego disse...

Pronto, pronto. Tens umas mãos lindas, é? Fico muito contente por ti!

('tá bom assim?)

Ervi Mendel disse...

:D

Tens tão booooooom gosto!

Maria do Desassossego disse...

Ervi,

LOL:-)