Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O 2º mês

Fevereiro não é um mês mau. É um mês péssimo! A única coisa boa que tem é ser pequeno.
No final do mês de Janeiro, há sete anos, fui tia pela primeira vez. Passado uma semana, fiquei orfã de pai.

Passaram 7 (sete) anos. Voaram. Escorreram-me pelos dedos, como se fosse areia. Aconteceu tanta coisa. Boa, má, assim-assim. A Raquel cresceu. E ele não estava cá. Não viu. Nem lhe pude contar.

Há dias, peguei numa máquina fotográfica que era dele. Não sei se funciona, mas estou tentada a experimentar. É daquelas pesadas, antigas. Com estojo em pele. Quando o abri, senti o cheiro a tabaco entranhado. Tabaco de cachimbo. Um cheiro doce e seco. O cheiro do meu pai.

Lembro-me de ficar parada a olhar para ele, enquanto acendia o cachimbo. Se demorava mais tempo a acendê-lo, irritava-se comigo, ali especada. Na altura não entendia. Hoje, quando estou a tentar fazer alguma coisa e não consigo, e os olhitos da minha Raquel cravados em mim, compreendo-o perfeitamente.

Não gosto do mês do Fevereiro. Além de ser cinzento, frio e chuvoso, lembra-me coisas tristes. Associo-o à cor preta. Ao mármore. E à chuva. Muita chuva. Fevereiro. A única coisa que tem boa é ser pequeno.

5 comentários:

Mad disse...

Percebo. Apesar de ser o meu mês. A sério, percebo. Já eu não gosto de Maio, vê lá tu. Pela mesmíssima razão, mas no feminino. Cada um...

Cachimbos, que saudades. O meu Pai tb fumava cachimbo. E charutos, dos bons (Cohiba, etc, havia caixas forradas de cortiça cheias deles), nos bons velhos tempos. Lembro-me, quando ele já estava doente (morreu há 21 anos) de lhos acender. E depois, para o fim, até lhe dava dos meus cigarros, o que ele achava de quinta categoria, não por serem meus, claro, mas por serem cigarros. Como o teu, aposto.

Não gosto de Maio como tu não gostas de Fevereiro.

Mad disse...

Tem piada, haviam de se dar bem, os dois, a fumarem cachimbo e agostar de fotografia. O teu com os quadros e o meu com os livros, a partilhar tabaco de cachimbo. Nunca tinha pensado nisso.

Isto são coisas para o email ou MSN, não é? Mas é tudo a mesma coisa. Quem somos, sem as nossas lembranças?

Maria do Desassossego disse...

Já eu adoro Maio... é o mês da Raquel:-)

E sim, é tudo a mesma coisa. Estás em casa.

Beijos

João Paulo Cardoso disse...

Ó minha querida alma gémea virtual!

Lá subiste mais uns degraus no meu coração com esta declaração de ódio em relação a um mês tão estúpido que às vezes até tem Carnaval metido nele.

Também eu tenho a minha dose de feridas de Fevereiro para lamber, com muito sangue em 2006.

Com todo o respeito para quem nasceu em Fevereiro (a querida Mad, o meu sobrinho, o Cristiano Ronaldo), não gosto desde mês.

Já Maio, adoro.

Além de ser o meu mês, e o do meu irmão, há flores, casamentos, finais de futebol,Primavera quase Verão, enfim, tudo bom, tudo bem, esperando eu que nunca haja nada de negativo a associar ao mês Maio lindo do calendário.

Só lamento ter nascido num insípido 21, que não é 20 nem 22, em vez do meu número fétiche, o 10.

Mas esse privilégio de nascer a 10, brindou outras pessoas que bem merecem, 'né?
;)

Beijos.

Maria do Desassossego disse...

JP,

:-D
Pode ser só assim? Não preciso de escrever mais, pois não?