Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Ai, gosto tanto!

Eu GOS-TA-VA de música de Natal!!!!
Já não suporto o George e o último Natal em que foi trocado por outro panisgas, o Freddie que agradece a Deus porque é Natal outra vez... e mais o 'rais parta' das criancinhas a desejar a todos um bom Nataaaaaaaaaaaaal!
E depois, se ao menos os tipos variassem, mas não! Cada uma destas preciosidades passa 2 a 3 vezes, no mínimo, por dia. Devidamente intercaladas com coisas como "Eu não quero ir à máquina zero", não-sei-por-quem-porque-este-não-é-o-Rui-Veloso, ou o "Frágil" do Jorge Palma, ou ainda - pasmem-se - o "Ouvi dizer" dos extintos Ornatos Violeta.

Haja pachorra... muita. Coragem... bastante. Já só faltam 35 dias para os Reis!

2 comentários:

Ervi Mendel disse...

Pede um iPod no Pai Natal e deixa o querido Freddie sossegadinho!

bjs

Maria do Desassossego disse...

Ervi,

Eu até gosto, e muito, do Freddie... mas não a cantar coisinhas de Natal.

Volta sempre.

PS: O iPod já pedi nos meus anos, mas nicles! Vou insistir