Novela (que podia ser mexicana) com um número infindável de episódios e protagonistas a mais, vendida em pacotes económicos aos países do leste europeu. Enredo muito intrincado, malfeitores qb, doses exageradas de sacanices, facadas nas costas e muitas figurantes com língua de porteira. A única coisa que vale a pena no meio desta salganhada toda?! A protagonista, que interpreta este argumento sem mudar uma vírgula... ou não fosse isto a sua vida.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Deu-me para andar no gamanço... (again!)

No perfil de um senhor conhecido:

Os melhores cantores são os bêbados,
os melhores cabeleireiros são os larilas,
os melhores taxistas são os que dizem “No tempo do Salazar é que era bom”,
o melhor cigarro é o primeiro do dia,
o melhor carteiro toca sempre duas vezes e uma delas é na nossa mulher,
o melhor leitão é o da Mealhada,
a melhor Miss foi a Helena Laureano mas já foi há muito tempo.
Os melhores filhos são os nossos,
os melhores pilotos são aqueles que já caíram uma vez ou outra mas sem importância,
os melhores filmes nunca ganham os óscares,
a melhor festa é sempre aquela a que não vamos,
as melhores evasões são as fiscais.
Os melhores árbitros são aqueles que conseguem roubar mesmo à frente do nosso nariz,
as mulheres mais bonitas são sempre as dos outros,
as melhores mercearias são as mais careiras,
os alunos de maior talento são os que não estudam nadinha,
os melhores políticos são os que se fazem aprovar tal qual uma lei.
Os melhores artistas são os que vivem na penúria,
os maiores génios são os que obtiveram reconhecimento depois de morrer,
a melhor notícia é a de abertura,
o melhor do mundo foi o Pele.
Os melhores momentos são aqueles que não estávamos mesmo a contar,
o melhor do dia foi isto agorinha mesmo,
o melhor orgasmo “desculpem mas não posso dizer!”
a melhor caneta é aquela que não escreve no exacto instante em que precisávamos dela,
o melhor lápis é aquele que desaparece no momento em que alguém do outro lado da linha nos diz “Quer apontar o número?” e nós do outro lado” Quero pois, estou só aqui à procura de um lápis que deve estar por aqui, é só um bocadinho se não se importa, porra para a porcaria do lápis que não aparece, oh querida viste o lápis?
A melhor comida é a lá de casa,
o melhor calor é o do Inverno,
a melhor namorada foi a primeira,
o melhor jogo foi aquele 6 a 3,
a melhor fundação é a que faz lavagem de dinheiro,
o melhor ladrão é o que rouba aos ricos para dar aos pobrezinhos,
o melhor pudim- e agora cantemos todos juntos - "É pudim Danone! Não pares!Não pares!É pudim Danone!" -
o melhor nariz é do Júlio Isidro,
a melhor caldeirada é a que estamos metidos,
o melhor número suplementar é o do totoloto,
o melhor domingo é aquele em que passamos a ver filmes deprimentes deitados no sofá,
o melhor tempo é o tempo da outra senhora,
o melhor de tudo é termos saúde,
a melhor série foi o verão azul,
a melhor jornalista é a Clara de Sousa quando vem com uma saia curtinha,
a melhor linha foi “Bingo!”.
A melhor mãe é a nossa,
a melhor frase é aquela que nunca te disse,
o melhor orvalho é o da manhã pela fresquinha,
as melhores previsões meteorológicas eram as do Anthímio de Azevedo.
Os melhores doces eram os da avó,
a melhor canja é a de galinha,
o melhor vizinho é aquele que só chama a polícia por volta das 2 da manhã,
as melhores multas são as que são amnistiadas com a vinda do Papa,
a melhor revolução foi o 25 de Abril,
os melhores desenhos – com excepção da animação com bonecos de plasticina da Bulgária – eram os do Vasco Granja,
a melhor aposta era a “ai que me esqueci de preencher o boletim!”,
o melhor médico era o de família,
os melhores compromissos são os inadiáveis,
o melhor número será sempre o 115.
O melhor partido é “aquela rapariga que é de boas famílias, filho!”,
o melhor sindicalista foi o Torres Couto quando tinha bigode.
A melhor noiva é aquela que chega mais de meia hora atrasada,
o melhor aumento já foi há muito tempo,
os melhores recibos são os verdes,
o melhor da minha rua, sou eu.

Por Fernando Alvim. Aqui (sim, ele também tem hi5!!!!)

2 comentários:

João Paulo Cardoso disse...

Não sou propriamente o fã nº 1 do Alvim ou de Taggeds, Hi5's e afins e assim, volto quando houver as tais fotos da autora em biquini (uma obsessão, está visto...)

Beijos.

Maria do Desassossego disse...

Quem sabe um dia, JP, eu não te faço a vontade? Quem sabe...

Ou não. Ou não. ;-)

Beijos